Tjurmyen

De Crônicas de Atlântida - Wiki
Tjurmyen (arte de Fernando Salvaterra)

Maav Tjurmyen (de tjur, "pérola" e myen, "rosto" - "rosto de pérola", em mugal), em 2702 dFA, é uma jovem barda e hinciós mugal que nasceu em Zjoey como hilota, filha de Lengkvaong e Moglaen.

Ainda menina, fugiu da violenta repressão do Império de Agarta para Atlântis, junto com o avô Bayguar e a madrinha Tjaokun. Graças a seu talento mágico, dedicação e apurado gosto estético, tornou-se uma das mais famosas bardas e artistas da capital imperial, interpretando espetáculos da mais alta categoria para a aristocracia atlante. Com a morte do avô, tornou-se a última sobrevivente do clã Maav, outrora famoso pelo grande número de magos talentosos em suas linhagens.

De estatura baixa, cabelo negro e liso, miúda e delicada, pele clara, é muito tímida quando não está atuando. É devota de Kintjur e sente atração por mulheres, mas ainda não teve relações sexuais. Meticulosa, detalhista e precisa, fala muitas línguas e é exímia instrumentista, compositora, poeta, pintora, escultora, ceramista e cozinheira. Sofre ainda com a lembrança da violência sofrida por ela e pela família em Zjoey. Mora com Tjaokun no bairro Dzezyo de Atlântis, onde possui uma belíssima casa com um grande jardim.

{{Revelações sobre o enredo}} Tjurmyen se apaixona por Tiakat quando a conhece, logo depois de a xamã chegar a Atlântis. A princípio, tem uma relação difícil com Sistu, com quem Tiakat não quer romper, mas aos poucos se torna sua amiga. Por sugestão de Chiuknawat, Tjurmyen vai ao Theendaung conhecer a gênia Kintjur, da qual é devota e esta lhe propõe uma aliança. Em razão disso, Tjurmyen aprende alquimia e artes mágicas com Senkoe e se torna portadora de Kintjur no mundo corpóreo e recebe poderes que incluem premonição, voo e duplicação. Este último lhe permite dividir-se em duas, Tjurmyen-Kinzhyn e Tjurmyen-Tjurtsi. Suas novas habilidades lhe permitem inventar um novo tipo de arma de fogo e desempenhar um papel tão decisivo na revolução quanto os de Tiakat e Sistu. Tjurmyen-Kinzhyn é corporalmente destruída por uma explosão ao salvar Atlântis de um tsunami, mas continua a existir na forma de um espectro, meio gênia, meio fantasma. Tjurmyen-Tjurtsi continua a viver como humana e após a vitória, decide casar-se com Tiakat e Sistu, para poder tornar explicita sua ligação com Tiakat de modo aceitável aos olhos dos outros mugais e para ter filhos com seu melhor amigo para salvar seu clã Maav da extinção. Vem a ser mãe de quatro: os gêmeos Tjeypin (também conhecida como Tlalpan) e Zangzhen, a filha do meio Dzegnen e o caçula Gnenphong. Tem um importante papel político na Comuna de Atlântis, é sócia de Beletsunu e Xizzin em seus empreendimentos e colabora com o filho Zangzhen no projeto do Vailxi. {{Fim das revelações sobre o enredo}}.