Comuna de Atlântis

De Crônicas de Atlântida - Wiki
Comuna de Atlântis
Comuna.gif
Também conhecido como:
Kihn
População:
6.090.000 habitantes
Área:
2.180 km²
Grupos étnicos:
senzares (40%), tlavatlis (30%), caris (10%) e outros (20%).
Capital:
População da capital:
6.000.000 habitantes


Comuna de Atlântis (em senzar, Atlantis Kusah) foi um movimento revolucionário que se ergueu na cidade de Atlântis em 2702 dfA, para resistir ao golpe de Estado do Generalíssimo Arpá independentemente das forças legalistas e do Casal Imperial e criar um governo democrático, também chamado Comuna de Atlântis.

{{Revelações sobre o enredo}} Após a vitória contra as forças de Arpá, a Comuna recusou voltar a se submeter ao governo imperial e se proclamou uma cidade livre sob suserania e proteção imperial, situação que o Casal Imperial aceitou a contragosto. No novo governo democrático, as populações dos cinquenta e dois setores nos quais se agrupam os distritos elegem anualmente uma Assembleia de quinhentos e vinte membros que dirige a Comuna e, por sua vez, escolhe os nove membros do Conselho Supremo, o órgão executivo. A Comuna assumiu o patrocínio do Instituto de Kisharografia e História (que perdeu o apodo de "Imperial") e o comando da Guarda Popular que substituiu as quatro divisões do Exército Imperial antes aquarteladas na cidade e assumiu o controle dos quartéis e fortalezas da capital e das imediações. O governo imperial continuou a ter a posse da Cidade Proibida e sua marinha de guerra livre trânsito pelo Canal Principal. {{Fim das revelações sobre o enredo}}.