Mudanças entre as edições de "Cosmética"

De Crônicas de Atlântida - Wiki
Linha 1: Linha 1:
 +
{| cellspacing=1 cellpadding=2 border=1 style="border: 3px solid #D4AF37; text-align:left; border-collapse:collapse;"
 +
! | [[Imagem:Zentlah.jpg|right|]]
 +
! | [[Imagem:Raltlah.jpg|right|]]
 +
|}
 +
 
'''Cosmética''' (''tlah'' em [[senzar]]) existe em muitas formas nas diferentes civilizações de Kishar, mas em [[Atlântida]] costuma-se falar de dois coinceitos em cosmética, o "Oriental" (''raltlah'') e o "Ocidental" (''zentlah'').
 
'''Cosmética''' (''tlah'' em [[senzar]]) existe em muitas formas nas diferentes civilizações de Kishar, mas em [[Atlântida]] costuma-se falar de dois coinceitos em cosmética, o "Oriental" (''raltlah'') e o "Ocidental" (''zentlah'').
  

Edição das 23h15min de 28 de setembro de 2015

Zentlah.jpg
Raltlah.jpg

Cosmética (tlah em senzar) existe em muitas formas nas diferentes civilizações de Kishar, mas em Atlântida costuma-se falar de dois coinceitos em cosmética, o "Oriental" (raltlah) e o "Ocidental" (zentlah).

A tradição "oriental" ou raltlah vem dos caris, mugais, ofirianos e outros que tendem a mostrar pouco o corpo além do rosto, mãos e pés e valorizam belas roupas, é similar à das civilizações orientais terrestres e inclui pós, unguentos e tinturas para pele, lábios, unhas, sobrancelhas, cílios e cabelos, usados tanto por homens quanto por mulheres para disfarçar pequenos defeitos ou marcas de envelhecimento e realçar a atratividade sexual segundo os ideais estéticos de cada cultura. Em geral não é usada por crianças, salvo por brincadeira. A depilação é comum entre os caris, mas pouco usada em outras culturas.

A tradição "ocidental" ou zentlah vem dos senzares e tlavatlis, povos que expõem mais os corpos que as roupas. Tendem a desdenhar maquiagens que buscam uma beleza facial idealizada, mas favorecem a pintura corporal, principalmente em rituais e ocasiões festivas, mas também no dia-a-dia quando há tempo e meios para isso. Usam sucos de frutas semelhantes ao urucum ou jenipapo, carvão vegetal, hena e argilas brancas ou coloridas para criar desenhos, padrões e "tatuagens temporárias" pelo corpo e rosto, de caráter abstrato, simbólico, expressivo ou naturalista de acordo com a ocasião e o gosto pessoal. A prática é comum a homens e mulheres, adultos e crianças. Só excepcionalmente tem conotação sexual.

Fomoris e dengus tendem a misturar as duas tradições de forma simplificada e amenizada.

Os agartis repelem qualquer cosmética que vá além da higiene e asseio pessoal, salvo para a casta inferior dos artistas ou yavanas. Entre os acaios, a maquiagem é ainda mais rejeitada. Bárria, Aíria e Bárata são mais flexíveis e aderem aos cosméticos de tradição cari e mugal em uma forma amenizada.