Escravo

De Crônicas de Atlântida - Wiki
Revisão de 00h02min de 3 de março de 2014 por Ictoon (discussão | contribs) (Nova página: '''Escravo''' em Kishar é um ser humano que pertence a outro como propriedade privada, é passível de compra e venda e não tem direito a constituir família ou ter propriedades,...)
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)

Escravo em Kishar é um ser humano que pertence a outro como propriedade privada, é passível de compra e venda e não tem direito a constituir família ou ter propriedades, embora, conforme o caso, possa ter direito a alguma proteção legal e, se o amo assim decidir, receber algum tipo de pagamento e ter respeitadas suas relações de convivência. Os estatutos atlantes de rarciós e varciós são modalidades de escravidão. A escravidão nesse sentido restrito existe com características semelhantes na maior parte de Kishar, com exceção dos povos selvagens e nômades. Também não existe, formalmente, em Agarta, mas o tratamento dado nesse império aos hilotas não é muito melhor. Vale notar, porém, que enquanto no Império Atlante os escravos são artigos de luxo normalmente restritos aos ricos e representam apenas 15% da população, em civilizações como Acaia e Bárria a escravidão é mais difundida e mais fundamental para a economia, chegando a representar de 30% a 60% da população e da mão-de-obra das cidades mais prósperas.