Hadiá

De Crônicas de Atlântida - Wiki
Tsirban.gif

Hadiá ou xamanismo é um estilo de magia que lida principalmente com o domínio da energia vital bruta e é conhecido em Atlântida como escola Tsirban de magia. Seus praticantes são chamados hadia'an, o que pode ser traduzido como "xamãs". Em tlavatli, são chamados chichti.

Os rituais que se baseiam neste estilo de magia baseiam-se principalmente no xamanismo pré-histórico. Jamais usam objetos manufaturados, de preferência instrumentos de pedra lascada ou polida. O receptáculo mais usado é um instrumento manual de percussão, que pode ser um maracá, um sistro (raquete atravessada por varetas com anéis) ou um tambor. Também são usados cuias, gamelas e objetos de barro e, ocasionalmente, amuletos de lea – uma liga especial de ouro, prata, cobre, estanho, ferro, chumbo, mercúrio e zinco.

Uma peculiaridade do estilo Tsirban é não ser afetado de forma alguma por configurações e constelações astrológicas: a eficácia de seus rituais é totalmente independente do céu, embora seja particularmente sensível à qualidade e disposição do ambiente terrestre.

As qualidades do estilo Tsirban se exprimem em respeito pelos instintos e pelos ciclos de vida e morte da natureza. Ajudar seu povo a se manter nos caminhos da natureza é uma virtude do xamã, mas subordinar as necessidades da natureza a interesses egoístas compromete seriamente não só sua honra, como também sua habilidade.