Riofá

De Crônicas de Atlântida - Wiki
Revisão de 15h14min de 30 de maio de 2016 por Ictoon (discussão | contribs)
Riofá 02.png

Sã Okpar Riofá (do senzar rioh, "resplandecente" e fah, "flor", "flor resplandecente") é uma jovem keciós senzar, que é recepcionista e ajudante geral na hospedaria Concha de Jade, uma das melhores da cidade de Rasab. É neta de Katsan, a matriarca do clã Sã em Rasab. {{Revelações sobre o enredo}} Riofá pertence a uma quadrilha de delinquentes juvenis de Rasab e acaba presa por roubar as espadas que Sistu deixou em seu quarto na hospedaria quando ele e Tiakat tratam de recuperá-las. Como autora de vários roubos, é condenada à escravidão e vendida em Atlântis a um amo que a compra como concubina e lhe dá o nome de Xizzin, "Estrela Preciosa". É libertada durante a guerra civil que leva à fundação da Comuna de Atlântis, junta-se aos rebeldes e ainda em meio à luta se torna ajudante de Tjurmyen, que a ensina a fabricar armas de fogo úteis aos revolucionários. Após a vitória, adota oficialmente o nome de Sã Ahrló Xizzin para romper os laços com a família original que a repudiou, junta-se à comunidade fundada por Beletsunu, vem a se casar com dois jovens colegas de instituto de Sistu, Kontu e Narom, com os quais tem três filhos e vem a se tornar engenheira e sócia da oficina de mecânica e alquimia de Tjurmyen. Mais tarde, adotou como sua filha a jovem Kimpar, para integrá-la à sua comunidade. {{Fim das revelações sobre o enredo}}