Mudanças entre as edições de "Raan"

De Crônicas de Atlântida - Wiki
 
(Uma revisão intermediária pelo mesmo usuário não está sendo mostrada)
Linha 2: Linha 2:
 
Para os senzares, '''Raan''' (''Rah'an'', na grafia própria) é o deus dos vagalhões, dos furacões, do caos, da guerra injusta e da destruição, segundo filho e segundo esposo da mãe [[Temu]]. Apesar do seu papel geralmente maléfico na mitologia oficial atlante, tem um papel vital na renovação periódica e catastrófica do universo. Raan é reconhecido, inclusive por seus oponentes, como o deus individualmente mais poderoso. Foi necessária uma ampla coalizão de outros deuses para derrotá-lo.  
 
Para os senzares, '''Raan''' (''Rah'an'', na grafia própria) é o deus dos vagalhões, dos furacões, do caos, da guerra injusta e da destruição, segundo filho e segundo esposo da mãe [[Temu]]. Apesar do seu papel geralmente maléfico na mitologia oficial atlante, tem um papel vital na renovação periódica e catastrófica do universo. Raan é reconhecido, inclusive por seus oponentes, como o deus individualmente mais poderoso. Foi necessária uma ampla coalizão de outros deuses para derrotá-lo.  
  
Raan não tem templos ou culto oficial em [[Atlântida]], mas seus seguidores mantêm um culto privado, envolvendo sacrifícios de sangue e, ocasionalmente, sacrifícios humanos, limitados pela lei atlante a voluntários e a [[varciós]]. Para estes, Raan é de direito o deus supremo dos senzares, como o teria sido na origem do [[Império Senzar]]: por volta de 1500 aFA, seus primeiros seguidores teriam imposto o poder de uma tribo originalmente pequena e isolada sobre grande parte do continente de Muté, antes que o deus fosse traído e derrubado pelo usurpador [[Varjá]] e seus partidários, em 98 dFA. Raan encetou um contra-ataque inicialmente bem-sucedido em 1595 dFA, sendo novamente derrotado pelos usurpadores depois de 21 anos de conflito.  
+
Raan não tem templos ou culto oficial em [[Atlântida]], mas seus seguidores mantêm um culto privado, envolvendo sacrifícios de sangue e, ocasionalmente, sacrifícios humanos, limitados pela lei atlante a voluntários e a [[varciós]]. Para estes, Raan é de direito o deus supremo dos senzares, como o teria sido na origem do [[Império Senzar]]: por volta de 1500 afA, seus primeiros seguidores teriam imposto o poder de uma tribo originalmente pequena e isolada sobre grande parte do continente de Muté, antes que o deus fosse traído e derrubado pelo usurpador [[Varjá]] e seus partidários, em 98 dFA. Raan encetou um contra-ataque inicialmente bem-sucedido em 1595 dfA, sendo novamente derrotado pelos usurpadores depois de 21 anos de conflito.  
  
 
Seus seguidores acreditam que seu deus voltará a desafiar os usurpadores e desta vez vencerá, promovendo um retorno aos costumes duros e austeros dos primeiros senzares, que valorizavam a força e a honra acima de todos os valores e para os quais a honra dos indivíduos inferiores estava em servir os superiores com completa entrega e devoção.
 
Seus seguidores acreditam que seu deus voltará a desafiar os usurpadores e desta vez vencerá, promovendo um retorno aos costumes duros e austeros dos primeiros senzares, que valorizavam a força e a honra acima de todos os valores e para os quais a honra dos indivíduos inferiores estava em servir os superiores com completa entrega e devoção.
  
== Veja também ==  
+
== Ver também ==  
  
 
[[Raanismo]]
 
[[Raanismo]]
  
 
[[Category: Panteão]]
 
[[Category: Panteão]]

Edição atual tal como às 01h49min de 6 de julho de 2010

Raan2.jpg

Para os senzares, Raan (Rah'an, na grafia própria) é o deus dos vagalhões, dos furacões, do caos, da guerra injusta e da destruição, segundo filho e segundo esposo da mãe Temu. Apesar do seu papel geralmente maléfico na mitologia oficial atlante, tem um papel vital na renovação periódica e catastrófica do universo. Raan é reconhecido, inclusive por seus oponentes, como o deus individualmente mais poderoso. Foi necessária uma ampla coalizão de outros deuses para derrotá-lo.

Raan não tem templos ou culto oficial em Atlântida, mas seus seguidores mantêm um culto privado, envolvendo sacrifícios de sangue e, ocasionalmente, sacrifícios humanos, limitados pela lei atlante a voluntários e a varciós. Para estes, Raan é de direito o deus supremo dos senzares, como o teria sido na origem do Império Senzar: por volta de 1500 afA, seus primeiros seguidores teriam imposto o poder de uma tribo originalmente pequena e isolada sobre grande parte do continente de Muté, antes que o deus fosse traído e derrubado pelo usurpador Varjá e seus partidários, em 98 dFA. Raan encetou um contra-ataque inicialmente bem-sucedido em 1595 dfA, sendo novamente derrotado pelos usurpadores depois de 21 anos de conflito.

Seus seguidores acreditam que seu deus voltará a desafiar os usurpadores e desta vez vencerá, promovendo um retorno aos costumes duros e austeros dos primeiros senzares, que valorizavam a força e a honra acima de todos os valores e para os quais a honra dos indivíduos inferiores estava em servir os superiores com completa entrega e devoção.

Ver também

Raanismo